palavras-a-espartaco

Foram a ira, a raiva, o desprezo, e, no limite, o desejo de vingança as peças principais deste conjunto de poemas.

O sofrimento e a exploração humanas são as mesmas por mais que troquem os nomes e passem os séculos. Todos os deserdados são contemporâneos nossos. A escravatura tomou forma de desemprego, marginalização e despejos. Espártaco exibe a sua cólera nas nossas ruas.

Depois de vinte séculos, Espártaco continua entre nós, interpelando a quem deseje ouvir a sua proposta.

FICHA TÉCNICA AUTOR:

Capa: brochado

13 x 19 cm

88 páginas

ISBN: 978-84-87305-89-4

DL: C 256-2015

PVP: 10 €

Diagramadora: Xosé Antom Serém

Desenho de capa: Pilar Abades, Pablo Prado e Sabela Fraga

Vítor Vaqueiro começa a publicar em 1979. A sua obra compreende poesia, narrativa e ensaio divulgador. Em 1984 recebe o Prémio da Crítica Espanhola na sua modalidade de poesia por A fraga prateada. Paralelamente ao seu labor literário tem desenvolvido um intenso trabalho no campo da fotografia.

 

Página do autor
INTERESSADO VISITE A NOSSA LOJA