Categorias

Envios

Newsletter

Guerra de Grafias Maximizar

Guerra de Grafias

Que é o galego? Quem fala esta língua? Nos 70/90 conformaram-se os grupos que lutam pola hegemonia social e política na hora de responder estas peguntas: o reintegracionismo e o autonomismo.

O livro repassa o jogo glotopolítico que levaram a que uma das duas estratégias, a autonomista, alcançasse o estatuto da oficialidade bem como as relações com os detentores do poder político.

Mais detalhes

978-84-87305-49-8

Disponibilidade: Esse produto já não se encontra disponível


Notify me when available

20,00 €

O autor, além da sua condição de licenciado e doutor em Filologia Hispânica, é poeta em exercício e destacado investigador em sociolinguística, especialmente na problemática de planificação linguística e da normalização do galego. Uma visita à pt.wikipedia permite poupar apresentações. Mário Herrero, é além do mais, bem conhecido nos círculos profissionais e interessados nestas questões.

Confessa o autor na Nota Prévia que abre o livro que a necessidade sentida de ganhar a vida e a obrigada constatação de não haver lugar para ele na Universidade galega conduziram-no a habilitar-se como tradutor juramentado de português, profissão que exerce agora para o Ministério de Assuntos Exteriores. Finaliza o livro com umas Mínimas Considerações de carácter atual sobre a questão ortográfica do galego que não têm que perder, como tampouco tem a Nota Prévia.

O livro tem toda a densidade que da sua procedência doutoral e uma amplíssima bibliografia de interesse certo para os especialistas na questão ortográfica e na briga normalizadora.

Não é preciso contudo ter um doutoramento em filologia nem leituras demoradas na matéria para abordar o livro e gostar dele. Além de doutor, de investigador dedicado e de participante em foros e palestras, o autor é um polemista destemido que se atreve a exercitar as virtudes do pensamento incondicionado sem a couraça cautelar que atravanca o nosso âmbito cultural.

Superado o mínimo obstáculo que acarreta a procedência académica da obra, o livro pode ser gostado como o que no fundo é: um manifesto cultural de conteúdo científico mas de intenção e vocação intervencionista. Quer dizer, de pedagogia social, desrespeitosa das interdições implícitas que pretendem coutar o debate.

PayPal