Carrinho 0
Ver carrinho “Nem tudo é arte? Mod@s de olhar” foi adicionado ao seu carrinho.

Confio-te o meu corpo. A dramaturgia pós-dramática

O logocentrismo, ou preponderância da palavra versus teatro, é um velho debate que afunde as raízes numa recusa do corpo, herdada das religiões, principalmente das monoteístas: recusa-se mostrar ou exibir o corpo em movimento e relativamente a outros corpos. Não é gratuito que, até não há muito tempo, o teatro fosse considerado uma pseudoprofissão de chulos, putas e maricões, qualquer cousa que não requeria uma formação específica, séria e com regras. Ainda nos custa aceitar que pode ser uma profissão digna, para além da frivolidade desse prestígio que reporta a fama, via televisão ou cinema oscarizado por Hollywood.

8,00 IVA incluído

Em stock

ID do produto: 5222 REF: 978-84-16545-19-3 Categoria:

Literatura dramática: texto literário com valores próprios do género dramático, codificado com palavras. Porém, o espetáculo teatral (ação) sempre acontece entre diversas ações, além do código verbal e os seus valores literários.

O espetáculo teatral, mais que uma encenação, -que nos conduziria para a ideia da tradução ou ilustração cénica dum texto prévio, ajustando-se a conceitos quase religiosos de fidelidade e respeito ao texto literário e a sua primazia- consite numa relação de ações para abordarmos um sentido determinado.

Prólogo de Tiago Bartolomeu Costa: crítico de artes performativas e programador independente. Tem trabalhado para instituições públicas e privadas na área da edição, programação e políticas culturais. Dirigiu a publicação Obscena, revista de artes performativas (2007-2010).

CONSULTA O ÍNDICE

Título

Confio-te o meu corpo

Subtítulo

A dramaturgia pós-dramática

Autor

Afonso Becerra de Becerreá

Género

Ensaio

Ano de edição

2018

Descrição

130 páginas, 13 x 19 cm

Encadernação

Brochura

Coleção

Alicerces, 2

ISBN

978-84-16545-19-3

Desenho de capa

Ricardo Cabanelas

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Confio-te o meu corpo. A dramaturgia pós-dramática”