Carrinho 0
Continue lendo...

“Na Galiza saber do nosso passado é um trabalho enorme” Carlos Velasco e Henrique Egea falam do livro “Todas mortas e (quase) esquecidas”

Na história das nações, existe um acumular de figuras. O caso da Galiza não é excecional. Algumas ganharam destaque nos manuais escolares, nas estátuas e nas placas, bem como nos nomes das ruas. Mesmo assim, uma nação sem estado tem sempre uma grande dificuldade para divulgar as pessoas que protagonizam a sua história. Não é por acaso que no título deste livro, Todas mortas e (quase) esquecidas, a palavra quase surge, entre parênteses, para evidenciar…

Continue Lendo
Continue lendo...

Isabel Rei: “Desenvolveu-se a ideia da ‘guitarra espanhola’ apesar de na Galiza termos história do seu uso desde o século XII”

Com a sua tese de doutoramento ‘A guitarra na Galiza’ Isabel Rei Samartim expom o produto de anos de investigaçom: um alargado leque de documentos que mostram a tradiçom do uso deste instrumento no nosso país até o século XIX. Ademais da tese, Rei Samartim publicou na editorial Através ‘Guitarra Galega. Breve História da viola (violão) na Galiza’, onde divulga as ideias fundamentais da tese e acrescenta um breve capítulo sobre o século XX, época…

Continue Lendo
Continue lendo...

Paula Carballeira: “Somos umha sociedade que fala muito, narra pouco e escuta menos”

Paula Carballeira é umha das mais ativas narradoras orais da Galiza na atualidade. Além disso, é poeta, romancista, dramaturga, atriz e membro desde a sua formaçom da companhia Berrobambán. Recentemente publicou na Através Editora o seu ensaio, tam certeiro para os tempos em que vivemos, E continuaremos a contar. A narrativa oral como ato de visibilidade e sobrevivência. Sobre ele falamos nesta conversa. “Contando recriamos. Contando fazemos-nos ouvir, damos valor à nossa voz, nom deixamos…

Continue Lendo
Continue lendo...

Diego Bernal: “A onomástica mostra um fascinante ponto de encontro entre as identidade galega, portuguesa e brasileira”

O último livro da coleção Através da Língua, Apelidos da Galiza, de Portugal e do Brasil, já está nas livrarias galegas e portuguesa bem como na loja on-line da editora, portanto, é um bom momento para conversar com o autor, Diego Bernal, atualmente a lecionar língua galega na EOI Jesús Maestro de Madrid. Antes de mais, Diego, que te motivou a abordares esta temática, agora livro? É umha paixom de velho. Desde criança sentia curiosidade…

Continue Lendo
Continue lendo...

Afonso Becerra: “descobri que havia toda uma imensa e rica história da dança oculta e totalmente desconhecida na Galiza”

Daniel Amarelo Montero entrevista Afonso Becerra de Becerreá, dramaturgo e professor na ESAD da Galiza, em Vigo. Da sua autoria é o último livro da Através Editora, História da Dança Contemporânea na Galiza, que conta com o apoio da AGADIC, da Deputação de Lugo e do Concelho de Santiago de Compostela. Daniel (E): Existem várias histórias da literatura, mesmo contamos com várias publicações sobre a história do teatro galego, mas tivemos que esperar até 2021…

Continue Lendo
Continue lendo...

Bea Busto: “O país e a identidade defendem-se permitindo-nos o presente e o futuro, nom apenas o passado”

Através Editora lança, como novidade do mês de fevereiro de 2021, o livro Um país a la gallega, A Galiza no No-do franquista  da docente, antropóloga e etnomusicóloga, Beatriz Busto (Compostela, 1979). Antes de mais, queríamos que contasses o porquê desse título tam engraçado e culinário como Um país a la gallega… Seique o livro  está cozinhado com sal grosso, azeite e pimentom de la Vera? Pois o livro nom, ou espero que nom, realmente.…

Continue Lendo
Continue lendo...

José Manuel Barbosa: “Aceitamos a narrativa imposta pela inércia historiográfica oficial”

José Manuel Barbosa (Ourense, 1963), professor de educação física. Porém, a sua paixão é a história. Organizador e guia de roteiros históricos, publicou diversos livros sobre a história da Galiza como Bandeiras da Galiza (2006) ou o Atlas histórico da Galiza (2008). Agora lança com a Através Editora um novo e sugestivo título, A evolução histórica dos limites da Galiza. José Manuel, quando e por que decides mergulhar no mundo da história? O meu com…

Continue Lendo
Continue lendo...

Teresa Moure: “Não pretendo diferenciar-me da literatura atual. Pretendo é diferenciar-me de mim própria”

Já nas livrarias o último romance de Teresa Moure, A tribo que conserva o lume, o primeiro livro que publica após fechar o ciclo que começou com Um elefante no armário e concluiu com Sopas New Campbell, editado en Cuarto de Inverno. Lia e Marlene começam cada uma uma investigação após a morte de Thomas Dinger, linguista especializado no idioma potawátomi, e outros linguistas ao redor do mundo. Conversamos com ela relativamente à sua novidade editorial. Quase todas…

Continue Lendo
Continue lendo...

Xoán-Antón Pérez Lema: “A vítima de crimes de ódio é escolhida não pelo que é, mas pelo que ela representa”

Xoán-Antón Pérez Lema é advogado em exercício desde 1990. Na sua última obra Quando grupos vulneráveis são feridos: a figura jurídica dos crimes de ódio (Através, 2020) apresenta uma leitura sobre os crimes de ódio na jurisprudência no Estado Espanhol, Portugal e outras latitudes do globo, como o Brasil. Falamos com ele sobre o livro e a sua atualidade. Xoán-Antón Pérez Lema O primeiro, o que é um crime de ódio? E que importância tem…

Continue Lendo
Continue lendo...

Óscar Senra: “Aposto um vinho a que não encontras uma história similar a esta”

Óscar Senra vém de publicar Sete dias com Elisa  e Vítor Giadás, da Através Editora, fala com ele para debulhar alguma das chaves do livro e a sua contorna, como por exemplo a relação com o livro anterior do Óscar, Dixie em Wonderland ou a ideia dum romance policial no rural que conta a história da Elisa mas não só. O “Sete dias com Elisa” é um livro em que as personagens vão mostrando a…

Continue Lendo