Carrinho 0
Continue lendo...

José Manuel Barbosa: “Aceitamos a narrativa imposta pela inércia historiográfica oficial”

José Manuel Barbosa (Ourense, 1963), professor de educação física. Porém, a sua paixão é a história. Organizador e guia de roteiros históricos, publicou diversos livros sobre a história da Galiza como Bandeiras da Galiza (2006) ou o Atlas histórico da Galiza (2008). Agora lança com a Através Editora um novo e sugestivo título, A evolução histórica dos limites da Galiza. José Manuel, quando e por que decides mergulhar no mundo da história? O meu com…

Continue Lendo
Continue lendo...

Teresa Moure: “Não pretendo diferenciar-me da literatura atual. Pretendo é diferenciar-me de mim própria”

Já nas livrarias o último romance de Teresa Moure, A tribo que conserva o lume, o primeiro livro que publica após fechar o ciclo que começou com Um elefante no armário e concluiu com Sopas New Campbell, editado en Cuarto de Inverno. Lia e Marlene começam cada uma uma investigação após a morte de Thomas Dinger, linguista especializado no idioma potawátomi, e outros linguistas ao redor do mundo. Conversamos com ela relativamente à sua novidade editorial. Quase todas…

Continue Lendo
Continue lendo...

Xoán-Antón Pérez Lema: “A vítima de crimes de ódio é escolhida não pelo que é, mas pelo que ela representa”

Xoán-Antón Pérez Lema é advogado em exercício desde 1990. Na sua última obra Quando grupos vulneráveis são feridos: a figura jurídica dos crimes de ódio (Através, 2020) apresenta uma leitura sobre os crimes de ódio na jurisprudência no Estado Espanhol, Portugal e outras latitudes do globo, como o Brasil. Falamos com ele sobre o livro e a sua atualidade. Xoán-Antón Pérez Lema O primeiro, o que é um crime de ódio? E que importância tem…

Continue Lendo
Continue lendo...

Óscar Senra: “Aposto um vinho a que não encontras uma história similar a esta”

Óscar Senra vém de publicar Sete dias com Elisa  e Vítor Giadás, da Através Editora, fala com ele para debulhar alguma das chaves do livro e a sua contorna, como por exemplo a relação com o livro anterior do Óscar, Dixie em Wonderland ou a ideia dum romance policial no rural que conta a história da Elisa mas não só. O “Sete dias com Elisa” é um livro em que as personagens vão mostrando a…

Continue Lendo
Continue lendo...

Daniel Amarelo:“Este é um produto que questiona a normatividade cultural galega”

No mês de julho saiu à luz ‘Nós, xs inadaptadxs’, o primeiro livro CUIR na Galiza, que vem da mao do editor de Narom Daniel Amarelo, coordenador do trabalho. O livro pretende ser a voz de todas aquelas coletividades que, juntas, querem abrir as fronteiras da construçom coletiva da Galiza, com textos que vam das artes cénicas, à ciência ou à música até às próprias vivências, com a pluralidade por bandeira. Como é que começa…

Continue Lendo
Continue lendo...

A BD sobre Carvalho Calero inaugura unidade didática

O material, para Ensino Secundário, foi desenhado pola professora Susana Álvarez Pronta para começar o curso, já está disponível na rede da mao da Associaçom Galega da Língua a Unidade Didática BD: Carvalho Coraçom de Terra. Susana Álvarez assina esta aproximaçom educativa à novela gráfica sobre o autor homenageado no Dia das Letras Galegas, a aprofundar nas possibilidades que achega a banda desenhada “Ricardo Carvalho Calero: Coraçom de Terra”, publicada por Demo Editorial e Através…

Continue Lendo
Continue lendo...

Raquel Miragaia: “O protagonista do romance é o silêncio, o que não se conta”

Raquel Miragaia vém de publicar Tempo Tardade com a Através Editora, falamos com ela para debulhar algumas chaves do livro, que conta a história de Branca: Após a morte da mãe, Branca volta à casa familiar, agora vazia mas cheia de lembranças da infância. O descobrimento por acaso de uma gaveta cheia de cartas antigas do seu tio-avô, emigrado com 19 anos a Buenos Aires, faz com que Branca se pergunte porque é que a…

Continue Lendo
Continue lendo...

Iolanda Aldrei: “Os livros prometem pervivência e antecipam os diálogos livres”

Eva Xanim conversa com a autora de Entrecontar. Que nos queres “Entrecontar” no teu livro? Entrecontar, mais que a uma fórmula narrativa, responde a uma vontade de polifonia, a um encontro de vozes, de histórias, de sentires. Quero abrir as janelas de um coletivo de individualidades fechadas em coordenadas impostas, que chegou a acreditar que essas estruturas eram reais, e mesmo que eram lógicas. Quero libertá-lo no labirinto, no direito de perder-se e achar-se por…

Continue Lendo
Continue lendo...

Diego Bernal e Xoán Lagares: “Muitos dos problemas do galego seriam resolvidos se ouvíssemos Carvalho”

Valentim Fagim conversa com os coordenadores da Antologia de textos para pensarmos a língua, Diego Bernal e Xoán Lagares. Que guiou o vosso processo de seleção? Porque estes textos? Os artigos de Carvalho Calero recolhidos na Antologia foram publicados nas décadas de 70 e de 80. É nessa etapa quando o professor se dedica de forma mais intensa a pensar a língua, sem dúvida por causa do momento histórico que se estava a viver, de…

Continue Lendo
Continue lendo...

Diego Bernal: “A cultura e língua do Brasil tem muito de bom para oferecer ao povo galego”

Reproduzimos a entrevista publicada no Portal da Língua o passado mês de março e assinada por Sabela Fernández. De prosa descontraída e rigor imenso, o livro de Diego Bernal, Português do Brasil. O galego tropical, que foi recentemente publicado por Através editora é a constataçom de que a variante portuguesa além Atlântico nunca “extranha” mas, ao contrário, “entranha”, se se nos permitir mudar livremente a frase do Fernando Pessoa. Publicamos uma conversa com o autor…

Continue Lendo